Deixaram a cidade para abrir um turismo rural. Assim nasceu a Quinta das Lavandas

Por Sara Vieira,

Desgastada e stressada. A vida na cidade roubou-lhe toda a energia. Farta disso, Teresa Tomé decidiu abrir um turismo rural.

A Quinta das Lavandas, um projecto familiar de Teresa Tomé e Estevão Moura, situa-se em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede, a 4 quilómetros do centro de Castelo de Vide, uma das mais pitorescas e bonitas vilas de Portugal. Um óasis de tranquilidade, a apenas 2 horas de carro de Lisboa – a cidade mais populosa e frenética do país.

Ouvem-se pássaros pela manhã. O verde das serras abraça-nos. A relva fresca convida a um passeio de pés descalços e o cheiro tranquilo da lavanda perfuma o ar.

“Eu era consultora de Sistemas de Informação de multinacionais, mas estava muito cansada e saturada. Tomava 5 comprimidos por dia, um para a tensão, outro para o stress”, conta-nos Teresa. “Entretanto comprámos uma quinta em Castelo de Vide e durante 2 anos estivemos sem saber o que fazer com ela. Mas um dia o meu marido viu um artigo na internet a falar sobre a “Quinta Lavanda”, um conceito com três vertentes: os campos de lavanda, a transformação da lavanda em produtos para venda e o turismo em espaço rural.”

E foi com este pequeno artigo que a história da Quinta das Lavandas começou a tomar forma.

Quinta das Lavandas Turismo Rural Antes e Depois

Teresa e Estevão começaram por plantar a lavanda – 6 hectares com duas variedades diferentes, importadas de França. Em 2010 (quando as lavandas ainda eram pequenas) instalaram a destilaria – onde fazem os óleos essenciais e águas florais. Em Julho de 2013, e para fechar as 3 vertentes de uma Quinta Lavanda, abriram o turismo rural, com a ambição de receber todos aqueles que gostam do campo e de estar num sítio calmo e relaxante.

Quinta das Lavandas Turismo Rural

“Não tínhamos experiência de acolhimento, mas acabou por surgir naturalmente”. Teresa e Estevão nunca imaginaram abrir um turismo rural, mas a sua bagagem como turistas e paixão por viajar levaram-nos a perceber – da forma mais simples e natural – quais são as necessidades dos hóspedes e hoje a missão é só uma: fazer com que estas pessoas se sintam em casa.

Para este casal o projeto da Quinta das Lavandas é um regressar às origens. “Tanto a minha adolescência como a do meu marido foi no campo. Eu sou de Azeitão – a 30km de Lisboa – e o meu marido nasceu numa pequena aldeia no Ribatejo. Ambos tínhamos uma vivência campestre… que nunca esquecemos e à qual nos tentamos manter sempre ligados”. E isso, de facto, sente-se. Na proximidade, simplicidade e sentimento de liberdade que impera na Quinta das Lavandas.

Ao chegar à quinta todos os hóspedes são recebidos com um sorriso, pela Teresa e pelo Estevão. “Damos as boas-vindas e explicamos como funciona a casa”. Cada hóspede recebe um comando e fica com total independência. Aqui são os hóspedes que fazem os seus próprios horários. “A quinta é para eles”, explica Teresa.

Quinta das Lavandas Turismo Rural

Sete quartos, piscina de água salgada, um vasto campo de lavanda, um jardim de alfazemas (com mais de 40 variedades de lavandas), um olival, um pomar e uma pequena vinha. Tudo à disposição dos hóspedes, num convite sincero e fraterno para se desligarem de tudo e apreciarem as pequenas coisas da vida.

“Nós tentamos que a Quinta das Lavandas seja mais do que um simples Bed & Breakfast. Tentamos dar novas experiências às pessoas”.

Desde a recolha da lavanda – quando, em junho/julho de cada ano, os campos estão repletos -, até à demonstração da destilação e criação de óleos essenciais, passeios pelos campos e pelo jardim, degustação de produtos feitos na quinta (como o mel e o azeite biológicos) ou mesmo a produção de artesanato (quando os hóspedes apanham lavanda e fazem com as suas próprias mãos uma roca de lavanda). Tudo isto são experiências únicas que marcam todos os que por aqui passam. Vivências e conhecimentos que levam consigo para sempre.

Quinta das Lavandas Turismo Rural

Descansar junto à piscina, caminhadas ou passeios de bicicleta são outras das atividades possíveis. Mas há também muito a descobrir nas redondezas. A apenas 4 quilómetros da quinta encontra-se Castelo de Vide, um vila lindíssima, cheia de recantos por descobrir. Teresa conta-nos que muitos dos hóspedes optam por ir lá almoçar ou jantar, e que ficam absolutamente rendidos. Depois a 12 quilómetros, há Marvão, uma vila toda muralhada, candidata a Património da Humanidade.

“Para as pessoas que gostam de programas mais culturais, sugerimos também os monumentos megalíticos, uma visita a Portalegre (onde encontramos tapeçarias únicas no mundo), um passeio pelas pequenas vilas aqui à volta (que têm um artesanato fabuloso) ou ainda os museus do Bordado e do Barro.” Os programas são mais que muitos e provas vivas da riqueza cultural e identitária desta magnífica região.

Hoje a Quinta das Lavandas, um projeto pequeno e familiar, recebe pessoas de todo o mundo. Pessoas que adoram lavanda e que vêm à procura de ver campos perfumados. Mas que levam consigo muito mais do que isso. Levam tranquilidade, paz interior, experiências novas e um entusiasmo pela vida reforçado.

Tudo isto graças a um casal persistente e trabalhador, que apesar das adversidades nunca desistiu de um sonho: ser feliz e partilhar essa felicidade com os outros.

Conhece outros hotéis e alojamentos geridos por pessoas excecionais?

Deixem-nos as vossas sugestões na caixa de comentários e quem sabe essa será a história que teremos o prazer de contar no nosso próximo artigo!